Segunda-feira, 5 de Setembro de 2011

Passos Coelho não sabe se vai ser necessário aumentar impostos, mas vai avisando que "se for preciso", por uma qualquer "razão externa" (isto é, por qualquer razão) não hesitará. Terá esta declaração o objectivo o de tranquilizar e de credibilizar o país perante os mercados, esse grande trunfo invocado para ganhar eleições? Talvez não tenha esse efeito, parece antes o tipo de discurso capaz de se tranformar em profecia que se cumpre a si própria. Veremos.

 

Do mesmo modo, e quando não há a menor indicação de que possa haver "tumultos" nem "ruas incendiadas", Passos diz que compreende o direito à greve e à manifestação mas que não tolerará que a "guerra contra o governo" (!) em curso se transforme em tumultos. Garante, por outro lado, que "nunca iremos por aí" (quem?). Talvez seja de ficar descansado. Mas pouco.



publicado por Miguel Cabrita às 18:55 | link do post | comentar

andré salgado

miguel cabrita

paula mascarenhas

correio.da.vida@gmail.com

Ligações
arquivos

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

tags

aborto; psd

arbitragem

assunção cristas

benfica

catroga

cavaco silva

cds

concertação social

contradições

cortes

crescimento económico

crise

despesa pública

direitos dos animais

economia

eleições francesas

enriquecimento ilícito

estruturalismo

fcp

futebol

grécia

hollande

iva

labour

merkel

milliband

música

ocde

passos coelho

paulo portas

pcp; jerónimo de sousa

portugals

psd

relvas

sporting

tsu; psd; segurança social

ue

uk

vitor gaspar; schauble; conversa privada

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds