Segunda-feira, 6 de Junho de 2011

1. Cumpriu-se a alternância em democracia. Teria sido um case study para os manuais de ciência política, se em Portugal fosse diferente do que sucedeu por toda a Europa: qualquer governo, tido por bom ou mau, de esquerda ou de direita, foi esmagado pela crise brutal que nos caiu em cima e que está longe de ter terminado.

2. PSD e CDS proporcionaram uma vitória expressiva e inequívoca à direita, mas ficaram aquém dos seus objectivos. O PSD, com uma oportunidade única de mudança de ciclo, ambicionava a maioria absoluta - algo como 43 a 44% dos votos e 116 deputados - para legitimar a sua total liberdade programática, como o conseguiu Sócrates em 2005. Ficou em 38% e 105 deputados (ainda com 4 por atribuir), sendo obrigado a negociar a sua governação. O CDS ganhou 3 deputados, mas chegou a sonhar com a autoridade de uma votação histórica, na ordem dos 13 ou 14%. Ficou em 11,7. Vão reviver-se velhos fantasmas das soluções Durão e Santana/Portas e muitas resistências de estimação. Boa sorte.

3. O PS pagou o preço de um contexto muito superior à sua governação. Sofreu uma derrota clara e aponta a um novo ciclo, tão natural como já o ter realizado tantas outras vezes. Ter ficado de fora da solução governativa foi o melhor que lhe podia acontecer no actual contexto: pode regenerar-se longe do olho do furacão, que está para ficar.

4. José Sócrates teve, na derrota, uma dignidade pessoal e política que muitos gostariam de ter na vitória.

5. A outra esquerda, a que contava com o desgaste do governo socialista para valer pelo menos 20% (lembram-se?), foi premiada com uma valente bofetada dos portugueses. O PCP ganhou meia dúzia de votos (e mais um deputado) e ganha sempre por ficar no mesmo sítio. Falta explicar, e mais ainda no contexto actual, como é que não consegue representar mais do que 8% dos portugueses. O Bloco implodiu. Pagou por uma série de erros de estratégia e de ambição que não tinha pernas para andar. O labirinto da paternidade da candidatura de Alegre, o erro colossal da moção de censura que a sua base de apoio não compreendeu e o contributo para a queda do governo, sem possuir o mecanismo de sobrevivência do PCP, pavimentaram o caminho; a demissão de representar o seu eleitorado perante a Troika e a casca-de-banana da aproximação ao PCP (que a colocou com toda a sua experiência de terreno), fizeram o resto. Foi devolvido à casa de partida: a dimensão de PSR.

6. A pergunta de uma jornalista da RR a Sócrates - receia que o resultado das eleições abra caminho a novos processos judiciais ou acelere processos judiciais em curso? - é um espanto. Representa tudo o que não se deseja numa democracia saudável: a correlação, qualquer que ela seja, entre o que é da política e o que é da justiça. Já assistimos, há não muito tempo, a um episódio negro de instrumentalização da Justiça, que deixou marcas profundas na nossa democracia. Esperemos não assistir a uma segunda coincidência.

7. A participação activa e empenhada na campanha eleitoral, de donos da comunicação social, como Balsemão e Belmiro de Azevedo, comprova que afinal, e ao contrário do que nos foi dito, muito foi feito nestes seis anos pela erradicação da asfixia democrática.

8. Pedro Lomba, entre outros comentadores de direita, manifestaram-se "aliviados" pelo afastamento de Sócrates. Muita gente terá resolvido, enfim, o seu problema de prisão de ventre. E sem o constrangimento de recorrer ao Serviço Nacional de Saúde.

9. Passada a embriaguez das celebrações, a entourage de Passos Coelho estará mais assustada que a maioria dos portugueses. Têm razões para isso. Felizmente, prometeram-nos os melhores dos melhores.

10. Não percamos de vista a promessa de Passos Coelho em pôr o país a crescer, pelo menos 3%, nos próximos dois, três anos. Let the show begin.



publicado por André Salgado às 16:14 | link do post

De aires bustorff a 7 de Junho de 2011 às 00:36
maravilha...parabens
abraço


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

andré salgado

miguel cabrita

paula mascarenhas

correio.da.vida@gmail.com

Ligações
arquivos

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

tags

aborto; psd

arbitragem

assunção cristas

benfica

catroga

cavaco silva

cds

concertação social

contradições

cortes

crescimento económico

crise

despesa pública

direitos dos animais

economia

eleições francesas

enriquecimento ilícito

estruturalismo

fcp

futebol

grécia

hollande

iva

labour

merkel

milliband

música

ocde

passos coelho

paulo portas

pcp; jerónimo de sousa

portugals

psd

relvas

sporting

tsu; psd; segurança social

ue

uk

vitor gaspar; schauble; conversa privada

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds