Quarta-feira, 28 de Setembro de 2011

 

Quando li a notícia de que os prémios de mérito para os melhores alunos do ensino secundário foram cancelados a poucos dias da sua entrega, e já depois de atribuídos, supus que se tratava da obsessão com as reduções de despesa, mais uma pequena parcela dos "custos intermédios" do Estado. Seria ridículo, mas é o espírito do tempo.

 

Mas não, afinal o dinheiro é para gastar na mesma. O que significa que o que está verdadeiramente em causa é suprimir um incentivo da escola pública ao mérito e à excelência - os tais que não eram suficientemente premiados pelo nosso sistema educativo.

 

Tudo isto, por si, seria estranho e, nas devidas proporções, grave. Mas o mais preocupante é que revela um padrão de actuação intelectual e politicamente muito pouco honesto, e não apenas em relação à tutela anterior.

 

O que há uns meses, na boca do actual ministro, era um "monstro burocrático centralizador" a abater ("implodir") a todo o custo em favor da "autonomia" das "comunidades escolares", mudados os titulares só revela mudanças para pior. Esqueçamos, até, as penosas referências negacionistas aos resultados nos estudos da OCDE. Afinal a actual equipa ministerial só complicou a vida aos professores e às escolas com um concurso de professores como há anos não se via - e, aliás, sem assumir as suas responsabilidades, preferindo tentar culpar os mesmos directores de escolas que noutros anos asseguraram processos quase sem mácula. Afinal, a avaliação de professores que era insuportavelmente burocrática deu lugar a um processo no essencial semelhante ao que estava desenhado. E, afinal, o discurso da insuficiência do estímulo ao mérito e à excelência deu lugar ao cancelamento a um prémio instituído precisamente e explicitamente para esse mesmo efeito, não por razões financeiras - só porque sim. 

 

Nesta sucessão de episódios, só uma coisa em comum: a tentação, tão perigosa em política, da terra queimada. Mas fazer tábua rasa de tudo o que está feito, por puro capricho ou por incapacidade para reconhecer nos outros méritos, costuma dar mau resultado. Entretanto, o mérito e a excelência nas escolas, afinal, são mesmo um dano colateral - ou "custo intermédio", como se preferir.

 



publicado por Miguel Cabrita às 17:01 | link do post

De Marinho Osório a 29 de Setembro de 2011 às 22:27
Eu diria que ainda por cima é ilegal!

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=258967350809074&set=a.254259024613240.59647.100000874344746&type=1&theater


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

andré salgado

miguel cabrita

paula mascarenhas

correio.da.vida@gmail.com

Ligações
arquivos

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

tags

aborto; psd

arbitragem

assunção cristas

benfica

catroga

cavaco silva

cds

concertação social

contradições

cortes

crescimento económico

crise

despesa pública

direitos dos animais

economia

eleições francesas

enriquecimento ilícito

estruturalismo

fcp

futebol

grécia

hollande

iva

labour

merkel

milliband

música

ocde

passos coelho

paulo portas

pcp; jerónimo de sousa

portugals

psd

relvas

sporting

tsu; psd; segurança social

ue

uk

vitor gaspar; schauble; conversa privada

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds